Desarrollo sostenible: un análisis desde la perspectiva del BRICS

Renato Pinto Cavalcanti

Resumen


El siguiente estudio tiene como objetivo analizar objetivamente la relación entre los países que conforman la agrupación conocida como BRICS - Brasil, Rusia, India, China y Sudáfrica - y el desarrollo sostenible, cuestionando si hay una disonancia entre este elemento y las políticas adoptadas por estos países. Para ello, se busca explorar esenciales para la comprensión del problema, tales como el medio ambiente, el desarrollo sostenible y la gobernanza ambiental a nivel internacional. En este artículo se hace uso del estudio exploratorio de la investigación bibliográfica y documental, mediante el análisis y la obtención de la información contenida en libros, artículos, informes y resoluciones, que figuran en las bibliotecas y en Internet. En cuanto a los objetivos se utilizó el método de análisis descriptivo, con enfoque cualitativo, cuyo objetivo es analizar el contexto actual del derecho internacional, orientado específicamente para el medio ambiente y el desarrollo sostenible, y la comparación de sus dictados con la realidad de los países que conforman la BRICS.

Palabras clave


Medio Ambiente, Derecho ambiental internacional, Desarrollo sostenible, Gobernanza, BRICS

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))

Referencias


AZAHAF, N. et al. Governance Capacities in the BRICS. Sustainable Governance Indicators. Gütersloh: [s.n.], 2012, p. 9. Disponível em: http://www.sgi-network.org/brics/pdf/Governance%20Capacities%20in%20the%20BRICS.pdf

BARROSO, Luís Roberto. A Dignidade da Pessoa Humana no Direito Constitucional Contemporâneo: Natureza Jurídica, Conteúdos Mínimos e Critérios de Aplicação. [s.l.], 2010, BARROSO, 2010, p. 14-15. Disponível em: https://www.luisrobertobarroso.com.br/wp-content/uploads/2010/12;Dignidade_texto-base_11dez2010.pdf

BARROS-PLATIAU, Ana Flávia. Novos atores, governança global e o direito internacional ambiental. 2001, p. 6. Disponível em: http://www.egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/anexos/31997-37543-1-PB.pdf

BRASIL. MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES. IX Cúpula do BRICS - Declaração de Xiamen - Xiamen, China, 4 de setembro de 2017, p. 8. Disponível em http://www.itamaraty.gov.br/pt-BR/notas-a-imprensa/17384-nona-cupula-do-brics-declaracao-de-xiamen-xiamen-china-4-de-setembro-de-2017

BRASIL. MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. IPEA, INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Conheça os BRICS - Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Rio de Janeiro, 2014. Disponível em http://www.ipea.gov.br/forumbrics/pt-BR/conheca-os-brics.html

CARVALHO, Sonia Aparecida e ADOLFO, Luiz Gonzaga Silva. Sustentabilidade e tecnologia: perspectivas para o direito contemporâneo. Direito e desenvolvimento sustentável: a (necessária) proteção jurídica da biotecnologia e a (necessária) regulamentação do acesso à biodiversidade e aos conhecimentos tradicionais. Passo Fundo: IMED, 2013, p. 171.

DINH, Nguyen Quoc; DAILLIER, Patrick e PELLET, Allain. Direito Internacional Público. 2a ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2003.

FIORILLO, Celso Antonio Pacheco. Curso de direito ambiental brasileiro. 15a ed. São Paulo: Saraiva, 2014.

FLORENTINO, Lucas Perez; WALDELY, Aryadne Bittencourt e HERZ, Monica. Rio+20: a Índia e a Estrutura Institucional Internacional para o Desenvolvimento Sus-tentável. Núcleo de Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade BRICS Policy Center. Centro de Estudos e Pesquisas BRICS. 2012, p. 3. Disponível em http://bricspolicycenter.org/homolog/uploads/trabalhos/4000/doc/1876112887.pdf

GUERRA, Sidney e EMERIQUE, Lilian Márcia Balmant. O Princípio da Dignidade da Pessoa Humana e o Mínimo Existencial. Revista da Faculdade de Direito de Campos. 2006, vol 9, p. 382. Disponível em http://fdc.br/Arquivos/Mestrado/Revistas/Revista09/Artigos/Sidney.pdf

NEUHAUS, Esther; BORN, Rubens Harry. Governança ambiental internacional. Perspectivas, cenários e recomendações. Fórum Brasileiro de ONGs e Movimentos Sociais para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento. Brasília/São Paulo, 2007, p. 6. Disponível em https://www.scribd.com/fullscreen/7916316?access_key=key-vvj1vsspd7egdvnizh4

NÓBREGA, Mariana de Oliveira e LACERDA, Jan Marcel de Almeida Freitas. Governança global ambiental e os BRICS: perspectivas e desafios para uma futura agenda sustentável. In: 2º Seminário de Relações Internacionais: Graduação e Pós-graduação “Os BRICS e as Transformações da Ordem Global”. João Pessoa – P: Associação Brasileira de Relações Internacionais, 2014., p. 2-3. Disponível em http://www.seminario2014.abri.org.br/resources/anais/21/1412110561_ARQUIVO_Artigo-ABRI-BRICSeGovernancaGlobalAmbiental.pdf

ORGANIZAÇÃO PARA COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. OECD Environmental Performance Reviews: Brazil. Paris: OECD Publishing, 2015, p. 26. Disponível em: http://www.keepeek.com/Digital-Asset-Management/oecd/environment/oecd-environmental-performance-reviews-brazil-2015_9789264240094-en

SANTOS JÚNIOR, Sérgio Veloso; BOCAYUVA, Pedro Claudio Cunca. Os BRICS e a Economia Verde: Rumo à Rio+20. Núcleo de Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade BRICS Policy Center. Rio de Janeiro, ago. 2011, p. 3. Disponível em http://bricspolicycenter.org/homolog/uploads/trabalhos/255/doc/2091916855.pdf

SILVA, Antônio Marcos Dutra da; HERZ, Monica. Rio+20: a Rússia e a Estrutura Institucional Internacional para o Desenvolvimento Sustentável. Núcleo de Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade BRICS Policy Center. Rio de Janeiro, abr. 2012, p. 2. Disponível em http://bricspolicycenter.org/homolog/uploads/trabalhos/3999/doc/1576392673.pdf

WEISS, Thomas G. The UN’s Role in Global Governance. Briefing Note Number 15. Nova Iorque, 2009. Disponível em: http://www.unhistory.org/briefing/15GlobalGov.pdf




DOI: http://dx.doi.org/10.16890/rstpr.a6.n11.p109

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.